AS VACINAS COM ARN MENSAGEIRO NÃO ALTERAM O ADN

Nos meios sociais existe uma enorme discussão sobre a vacinação Covid-19 tendo surgido algumas publicações que levaram as pessoas a acreditar que as novas vacinas de ARN mensageiro (mRNA) iriam alterar o ADN de quem recebesse a vacina. Com o objetivo de clarificar esta situação, a European Society of Human Genetics (ESHG) decidiu assegurar ao público em geral que não há qualquer evidência que suporte esta preocupação e que, se a houvesse, esta não seria encoberta.

As vacinas de mRNA não alteram o ADN. Com rigor, elas introduzem nas nossas células moléculas que conduzem à produção de pequenos fragmentos inofensivos do vírus. A produção de parte da proteína viral causada por este processo a nível das células vai ativar uma poderosa resposta do sistema imunitário. Desta forma, o nosso corpo responderá com rapidez se entrar em contacto natural com o vírus completo. Assim, esta vacinação conseguirá prevenir o aparecimento das formas graves de Covid-19, incluindo as suas possíveis complicações.

A constituição genética (ADN) de cada indivíduo vacinado fica inalterada. A única ação da vacina é a estimulação da produção de anticorpos e leucócitos especiais de defesa, de forma idêntica à que acontece quando alguém tem uma infeção viral de forma natural. O mRNA introduzido nas células é muito rapidamente degradado e não consegue reproduzir-se. Assim sendo, este fragmento de mRNA nunca se poderá fundir ou integrar diretamente no ADN do próprio indivíduo.

Sociedade Portuguesa de Genética Humana, 29 dezembro 2020.

Em cumprimento do Regulamento para o Processo Eleitoral da Direção da SPGH (aprovado em Assembleia Geral de 5 Abril de 2019), torna-se pública a Lista candidata (presidente e secretário em exercício em 2023), proposta pela atual Direção:

Lista A

Peter Jordan
Presidente

José Carlos Ferreira
Secretário